Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



World Press Photo, 2017

World Press Photo, 2017

A Exposição World Press Photo, 2017, patente ao público no Fórum da Maia até 16 de junho, traz ao Norte de Portugal e Galiza a oportunidade de ver as imagens vencedoras do 60.º concurso anual, selecionadas a partir de um total de 80.408 imagens produ

Referência mundial do fotojornalismo, a exposição dá a conhecer ao público, através das imagens premiadas pela World Press Photo (WPP), algumas das questões cruciais com as quais povos e sociedades de todo o mundo se defrontam na atualidade e que, em muitos casos, se repercutem além das suas fronteiras e mesmo à escala global.
«A Exposição está na Maia, mesmo sem a ajuda do Ministério como acontece em Lisboa».
Para o vice-presidente da CM Maia, Silva Tiago, é importante ter a WPP na Maia «o fotojornalismo retrata o mundo de hoje e dá-nos uma importante visão global expressa pela arte fotográfica. Nesta exposição apenas encontramos fotografias já publicadas e, o que se passa nos jornais, traduz o mundo e o que acontece no mundo de hoje. É um evento de qualidade que, como muitos que realizamos, trazem pessoas à Maia. É uma marca forte que em Portugal só existe em Lisboa e na Maia. Este evento marca um privilégio de usufruir deste fotojornalismo de excelência, pelo que deve continuar e devemos fazer tudo para o continuar no próximo ano, na mesma de forma gratuita apesar de não termos nenhuma ajuda como Lisboa teve do Ministério da Cultura», criticou, acrescentando que «é para a CM Maia, uma preocupação trazer a cultura à comunidade e como tal assumir esses custos, mesmo sem ajuda do Estado. Fazemos isso em muitas outras áreas do Desporto à Acção Social. É preocupante a pressão sobre os fotojornalistas no seu trabalho»
A foto do ano para a WPP, é da autoria de Burhan Ozbilici, fotógrafo turco da Associated Press e que descreve o momento em que o polícia Mevlut Mert Altintas, estava armado, gritava e esbracejava, instantes depois de ter assassinado a tiro o embaixador russo na Turquia.
Motivo para a conversa com Yi Wen Hsia, a Comissária da exposição de este ano.

Pergunta: Como é que se organiza uma exposição como a WPP
Yi Wen Hsia: Esta exposição corre o mundo. Viajamos para todo o lado, para 45 países, onde apresentamos em 90 locais. Fazemos a exposição de forma compacta, trabalhamos com profissionais, seja a nossa equipa interna ou a local, temos sempre alguém do júri, neste caso o secretário está connosco e também o presidente Stuart Franklin. Escolhemos imagens que o júri pensa serem importantes para contar a história do ano. Quando vemos uma imagem que inclui uma historia, incluímos na exposição e então a partir dai pegamos nas imagens que contam a historia completa, infelizmente não colocamos todas as imagens, mas as mais representativas. 

P: Quantas estão?
YWH: Ao todo podem encontra-se nesta exposição 152 imagens distribuídas por 62 painéis.

P: O que pensa dos debates deste ano?
YWH: São sempre interessantes. O nosso júri é independente, pega nas imagens que pensa serem mais representativas e seleciona-as. Acho todo este processo muito interessante o que para mim é muito importante porque tive a oportunidade de as ver todas e foram motivo de largo debate. Discutimos o que representa a fotografia, o papel do fotojornalismo e as contribuições que podem dar, por isso, é importante ter opinião sobre o assunto.

P: Debates ou fotojornalismo?
YWH: Há vários tipos de discussão, sobre a imagem que venceu, sobre promover o terrorismo e outras. Algumas pessoas dizem que não, outras pensam de forma diferente, mas vale a pena. O nosso júri escolheu esta imagem como vencedora porque o Burhan Ozbilici teve capacidade para captar imagem no tempo certo e contar a historia em imagens, onde conseguimos perceber todos os elementos que a compõem. Este foi o motivo porque o júri a escolheu. Algumas pessoas acham-na controversa. Nela conseguimos ver a imagem do assassínio do embaixador, uma imagem impactante forte. Este dedo espetado no ar. Vê-se essa imagem por todo o lado e talvez pelo impacto forte, algumas pessoas podem realmente achá-la controversa.

P: Quais pensa serem as dificuldades do fotojornalismo nos dias de hoje?
YWH: Acho que há muitas, mas talvez a mais importante é o grande desafio da pressão sobre os fotojornalistas no seu trabalho. Há uma associação que é “Repórteres Sem Fronteiras” que refere casos de vários jornalistas a serem pressionados ou ameaçados no seu trabalho. Por outro lado, se olharmos para o jornalismo na europa, um continente em democracia, há um grande declínio nas noticias jornalísticas, pois vivemos numa era digital importante onde toda a gente tira fotos com telemóveis, mas por outro lado, conseguimos ver e comparar o importante trabalho do fotojornalista e a diferença entre o amador e o profissional, na história, nos detalhes, na técnica, no trabalho que faz um todo da notícia.

P: Pensa que este tipo de exposição ajuda a melhorar a importância da fotografia?
YWH: Sim. Penso que visitar a exposição despoleta emoções diferentes. Assim espero que os ponham a pensar sobre o mundo, sobre diferentes perspetivas. Um dos nossos objetivos é que as pessoas pensem nas imagens e pensem no fotojornalismo como a importância ou a vantagem da imprensa escrita e que capte atenção para este tipo de jornalismo e publicação.

P: O Fotojornalismo reflete o estado do mundo?
YWH: Penso que só parte, se calhar uma parte significativa, os jornalistas escolhem um tópico e desenvolvem-no em muitas etapas. O que se vê aqui é uma parte, importante, mas longe de refletir a globalidade do que se passa no mundo.

P: Algum tema dominante este ano?
YWH: Sim, sem dúvida, a temática dos refugiados e a relação da relação dos humanos com a natureza, mas entre muitos outros temas que são importantes.
Temos 8 categorias, todos os tópicos são importantes, algumas fotos são muito explicitas, mas cada uma mostra o que passa no mundo, não se pode dizer que é só direitos humanos, só violência, porque os motivos são muitos.
É muito importante que as pessoas saiam de casa, se dirijam a esta galeria, venham ver até porque é diferente ver a imagem no computador e ver no papel, transmite-nos mais, observamos e pensamos o pormenor, transporta-nos para o centro da notícia. 

Imagens

07-Jun-2017 às 16:16, Ana Sofia Silva

Escreva um comentário

"SYMPHONIC GARDENS" para visitar na Fundação Gramaxo "SYMPHONIC GARDENS" para visitar na Fundação Gramaxo

Foi inaugurada, no passado dia 30 de setembro, uma exposição de pintura e escultura no Parque Lazer da Fundação Gramaxo que poderá ser visitada até ao próximo dia 22 de outubro.

Continuar a ler »