Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



Mais de 2 mil árvores plantadas em Vilar de Luz

Mais de 2 mil árvores plantadas em Vilar de Luz

Cerca de 400 colaboradores portugueses e espanhóis da marca coreana, uniram esforços e puseram "mãos à obra" em ação de reflorestação após incêndios de 2017.

Em parceria com a Quercus, foram cerca de 400 os colaboradores da LG Portugal e Espanha que uniram esforços e plantaram, durante a manhã chuvosa do passado dia 6 de novembro, mais de duas mil árvores junto ao Aeródromo Municipal da Maia. O objetivo foi reflorestar aquela zona do concelho da Maia, na Área Metropolitana do Porto, afetada pelos incêndios florestais de 2017. As árvores foram oferecidas pelos clientes da marca de produtos eletrónicos e eletrodomésticos no âmbito da campanha “Life’s Green”, desenvolvida em parceria com a Quercus, entre 22 de janeiro e 31 de março deste ano. Durante este período, na compra de um equipamento da gama frio da LG (6 modelos A +++ em campanha), a LG comprometia-se a, por cada registo válido em campanha, doar 36 euros à associação Quercus, o equivalente à plantação de 12 árvores otimizando os benefícios da utilização para o consumidor - que poupa mais energia - e fortalecendo ao mesmo tempo o seu apoio à comunidade nacional.

 

A iniciativa, desenvolvida em parceria com a Quercus, nasceu da vontade da LG em ajudar Portugal a reerguer-se das cinzas e da devastação florestal causada pelos violentos incêndios que por duas vezes em 2017 assolaram o País, consumindo cerca de 440 mil hectares de floresta e povoamentos o que corresponde a quatro vezes mais do que a média registada nos dez anos anteriores , dos quais aproximadamente metade em outubro, quando arderam mais de 223 mil hectares.

A LG promove anualmente uma convenção ibérica que, este ano, decidiu ser diferente. Hugo Jorge, diretor de Marketing da LG Portugal, explicou, em declarações ao MaiaHoje, que após terem doado à Quercus mais de duas mil árvores, seria importante colocar “mãos à obra”, abolindo a teoria inerente a uma convenção dita normal.  A escolha do Aeródromo Municipal da Maia para a iniciativa partiu da Quercus, como referiu, sendo que o objetivo era, desde o início, o norte «tinha que ser no Norte de Portugal, num local que permitisse albergar este elevado numero de colaboradores e a Quercus escolheu a Maia», disse.

19-Nov-2018 às 12:38, Ana Sofia Silva

Escreva um comentário