Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



Liga: FC do Porto vence Aves 4-0, mantendo a distância

Liga: FC do Porto vence Aves 4-0, mantendo a distância

Foi um jogo sem casos, em que o FC do Porto venceu com relativa facilidade. Aproveitou bem as oportunidades e assim se mantêm na perseguição ao líder Benfica, precisando que este perca 3 pontos em seis possíveis e o FC do Porto vença os seus. Uma con

Por um lado o mais recente desaire portista, e a conhecida atitude do líder da claque no final do jogo em Vila do Conde, por outro o acontecido com Iker Casillas durante a semana, eram motivo de dúvida sobre como seria o reencontro. Se nesse empate o título ficou miragem, havia que perceber se a claque estaria novamente com a equipa ou se o virar de costas se mantinha.

Talvez com alguma influência do efeito Iker, ou não, a verdade é que o jogo começou com a equipa a deixar-se fotografar com uma faixa de apoio ao guardião, e a claque correspondeu com uma coreografia do tamanho da bancada, também de apoio ao internacional agora acamado, ao mesmo tempo que apoiava sem qualquer reserva a sua equipa, pelo que parecia que o afastamento estaria sanado.

Todavia não seria assim e no final do jogo, contra o habitual, a equipa reuniu-se no centro do relvado após o que regressou aos balneários sem se dirigir à bancada sul para agradecer o apoio dos Super Dragões, o que acabou por fazer perante um coro de assobios dos seus próprios adeptos. Ao mesmo tempo assistimos ao líder da claque a exigir aos seus “soldados” que se mantivessem nas bancadas entoando cânticos de apoio ao clube como o “FC do Porto é nosso”. Os minutos foram-se passando e o impasse, ou braço de ferro, mantinha-se até que uns bons 15/20 minutos depois surge de volta ao relvado Sérgio Conceição seguido por todo o plantel e equipa técnica dirigindo-se à bancada cheia de adeptos que não arredavam pé, e começavam a criar um problema de segurança de difícil resolução.

Quando frente a frente alguns jogadores passaram as barreiras e chegaram junto da claque, ao mesmo tempo que o líder desta usava o megafone para reconhecer o seu erro no final do jogo em Vila do Conde, e pedir desculpa, passando de seguida o aparelho para uma curta intervenção do capitão de equipa que usou da palavra para também ele assumir a falha no empate com o Rio Ave, manifestando o empenho do grupo em vencer os dois jogos da liga que faltam, e dar tudo na final da Taça de Portugal, momento a partir do qual se voltou a ouvir cânticos de apoio.

Antes do regresso aos balneários todo o plantel se deslocou à bancada norte onde também estabeleceu contato com alguns elementos da outra claque, tendo-se criado algum burburinho com a segurança a acorrer fora de tempo, e aparentemente algumas vozes menos pacíficas, contudo como fomos impedidos de nos aproximar não deu para compreender ao certo o que se passou.

Interrogado na sala de imprensa sobre a demora em vir à conferência, Sérgio Conceição começou por indagar se estaria atrasado em relação habitual, procurando evitar a questão, mas perante a insistência da pergunta com o acréscimo do que se passou no final, acabou por arrumar o assunto desta forma: “Normalmente quando temos problemas em casa, não vimos cá para fora contar o que se passa. Os problemas da família ficam na família. Há um sentimento comum que é o gosto que temos pelo FC do Porto, mas há problemas de família que não nos fica bem vir cá para fora contar.”

Sobre o jogo, acrescentou:” Com este treinador, a jogar fora o Aves, ainda não tinha perdido. Obviamente estávamos preparados para isso, mas tínhamos que descobrir a melhor forma de chegarmos à baliza. Defendem com muita gente, muita capacidade, impacto físico, jogadores altos, e podia-se tornar um jogo muito difícil, mas fizemos golos na primeira parte e ampliamos na segunda, acabando por vencer com justiça”

Faltava abordar o tema mais falado desde meio da semana sobre a situação de Iker Casillas que SC comentou assim: “Foi algo que o plantel sentiu muito. Nestes anos de treinador posso dizer que é dos melhores grupos, com muita união. São todos muito amigos, às vezes até queria que houvesse uma pequena quezília, rematando, queríamos muito dedicar a vitória ao Iker, mas não nos agarramos a isso para conseguir motivação.”

 

Imagens

05-May-2019 às 2:00, Francisco Bacelar

Escreva um comentário