Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



Silva Tiago visita Associação “Os Leais e Videirinhos” de Pedrouços

Silva Tiago visita Associação “Os Leais e Videirinhos” de Pedrouços

Presidente da Câmara quis conhecer de perto o trabalho da coletividade.

Na tarde do passado dia 10 de julho, a Associação Os Leais e Videirinhos de Pedrouços recebeu, nas suas instalações, a visita do presidente da Câmara Municipal da Maia, António Silva Tiago, para conhecer de perto o trabalho desta coletividade.

O convite partiu do presidente da associação, Alberto Martins, que procura agora retomar à “normalidade”, após três meses de encerramento forçado pela Covid-19.

“Acrescentar” é ao que se propõe a nova direção da coletividade que diz ter a vontade de «acrescentar algo ao que já foi feito», enaltecendo, para isso, as «mais valias» da associação para contrariar a «estagnação» em que estão atualmente e crescerem.

António Silva Tiago ressaltou o rasgo de «ousadia, racionalidade, inteligência e bondade» das coletividades “Leais” e “Videirinhos” que «há muitos anos atrás se fundiram e criaram uma só associação, que perdura até aos dias de hoje», referiu.

Alberto Martins refere o trabalho difícil que a coletividade enfrenta diariamente. Os Leais e Videirinhos de Pedrouços retomaram a vertente desportiva que tinha ficado esquecida e que foi prática «há muitos anos atrás». Começou a competir no futsal federado no ano passado e este ano a equipa conseguiu subir de divisão. Com início previsto para este ano, o objetivo passa pela criação de um escalão de formação, que acredita que atrairá mais desportistas. A associação dispõe ainda de uma equipa sénior de bilhar profissional e, poderá ainda, num futuro próximo, constituir uma de basquetebol, adiantou Alberto Martins. Os treinos são, neste momento, «uma dificuldade» por permanecerem encerrados os pavilhões desportivos municipais, instalações que utilizavam para treinar antes da pandemia.

«O ponto forte da coletividade sempre foi e continuará a ser as atividades culturais», disse o presidente da coletividade que agora enfrenta o «renascimento» do teatro revista. Outubro é mês apontado para o recomeço destas atividades.

Nesta situação de pandemia em que vivemos, faz todo o sentido existirem associações como esta, de bairro ou de rua, porque são excelentes instrumentos para que todos nós possamos ultrapassar esta crise sanitária que vivemos».

Neste momento, a associação diz ser autossustentável no que diz respeito às despesas que lhes são inerentes, mas admite contar com o apoio «indispensável» da autarquia para a determinadas atividades e para reabilitar algumas zonas já degradadas, como é o caso de um terraço que possuem nas traseiras das instalações e que Alberto Martins explica ter a vontade de transformar num parque de lazer aberto a toda a comunidade. As obras já arrancaram pelas mãos dos associados. Silva Tiago garante que a Câmara Municipal se manterá presente para as coletividades, «estamos sempre prontos para ajudar com subsídios de apoio à atividade corrente. As obras aqui feitas têm o apoio da autarquia, e pretendemos estar sempre presentes, não como entidade castradora da criatividade individual, mas como entidade que enaltece e valoriza as comunidades e as pessoas».

23-Jul-2020 às 15:51, Ana Sofia Silva

Escreva um comentário